Ensaio

Faça seu cadastro ou login para download do ensaio

Você sabe ser um cliente?

Clientes! o empreendedorismo no Brasil não depende apenas do empreendedor e investidor, você é peça fundamental.
 
Sempre nos perguntamos qual é a importância de um cliente para o empreendedor? Sempre lemos pelos cantos sobre a importância de se atender bem a um cliente, sobre como devemos tratá-lo.

Aqui vai o manifesto de um empreendedor que clama por clientes que sabem exercer o papel de clientes, que sabem como respeitar um fornecedor educadamente, ajudá-lo a crescer, deixando a ignorância de lado e partindo para a construção de caminho em conjunto, cooperativo, colaborativo.

Qual é a responsabilidade de um cliente? Da mesma forma que existem muitos fornecedores, existem muitos cliente, ou seja, todos somos clientes de alguém e, ao mesmo tempo, somos fornecedores. A responsabilidade de quem é cliente e de quem é empreendedor, é complementar, por esse motivo é que as interações entre um e outro geram tamanha quantidade de conflitos ou realizações.

Agora, a verborréia que existe sobre clientes e gestão de clientes é uma coisa impressionante. Existe escola para ensinar a como atender a um cliente, mas não existe por aí ninguém ensinando boas maneiras para clientes, até porque não existem clientes interessados nisso.

Por que, afinal de contas, ser cliente é ser deus? É isso ou o mundo empresarial apenas pintou o set e fez com que o ser supremo da irracionalidade passasse a ser real e racional.

 
Você é um cliente, certo? o que você como cliente faz pela marca, serviço ou produto que usa?
 
Não quero aqui um diálogo desnecessário, apenas chamar a atenção para você que é cliente sobre quais atitudes você está adotando como cliente. Reclamar, discutir, falar mal, são atitudes básicas de um cliente diante da indignação, e quais são as atitudes básicas diante da satisfação?

Agradecer, falar bem, elogiar, enviar declarações, dar notas altas em avaliações de satisfação, recomendar, certo? mas e daí?

A idéia desse manifesto é para que o ‘ser cliente’ entenda que a arte da adaptação e da colaboração está ao seu despertar.

Com o ambiente 2.0 dos aplicativos de interação on line, parece que ficou mais fácil ser um cliente. Pelo menos está mais fácil ser ouvido e receber retorno, afinal, chegar no twitter e descascar as idéias contra uma marca ou serviço certamente alguém estará de olho. Ao mesmo tempo que ficou fácil para o cliente ficou fácil para o fornecedor acompanhar o que está sendo dito sobre sua marca, empresa.

E para onde vamos com toda essa discussão sobre como controlar as interações entre clientes e fornecedores?

Deixo aqui minha preocupação em aberto, lutando por clientes melhores e muito, muito mais interativos!

 
Vamos lutar para abrir a mente de empreendedores travados e pouco interativos.